Escrito por: Luis Felipe Suete / @luissuete

Será que você percebe a ação e os efeitos das crenças limitantes na vida ao longo dos anos ou simplesmente arruma uma desculpa para justificá-las? Acredite, muitas pessoas aceitam crenças limitantes em suas vidas sem ao menos se darem conta do tamanho dos problemas que elas podem causar.

Vou te dar um exemplo:

Concentre-se na leitura desta frase. Continue assim até acabar o artigo!

ok

Com frases curtas até que vai né?

Aliás, o problema acontece quando temos que manter a concentração por textos longos ou algumas horas, ao estudar por exemplo. Iniciamos a leitura de um texto que até gostamos, mas em poucos minutos nossos pensamentos levam a mente para caminhos distantes. E quando a gente se dá conta as horas se passaram, dando lugar à ansiedade e a sentimentos de incapacidade frente ao objetivo principal.

Afinal, se eu não dou conta de me concentrar por alguns minutos, por que eu seria capaz de absorver um conteúdo que envolve milhares de páginas? Será que existe algum remédio para isso? 

Pois, daí se inicia um longo processo de pesquisa para ir ao encontro do medicamento que vai calar todos aqueles pensamentos que insistem em aparecer quando mais você precisa se concentrar. É sobre isso que vamos falar agora!

  1. Talvez você precise de um remédio
  2. Exemplo prático
  3. A hipnoterapia quebra crenças limitantes

Boa leitura!

Talvez você precise de um remédio

Por que minha mente é tão burra? Será que ela não entende que agora eu não posso pensar naquela pessoa? Será que ela não entende que nesse momento eu não tenho motivos para lembrar daquela viagem que fiz a anos atrás? E eu nem sabia que isso estava na minha memória. Eu preciso de um remédio!

Essas crenças limitantes na vida serão reforçadas pela mente toda vez que for conveniente. Pois, mesmo que você questione uma pessoa de confiança a respeito da sua capacidade ou relembre de todos resultados que já teve, a única informação relevante que será absorvida pela sua mente, será aquela que reforça a ideia de que existe um problema cognitivo e é necessário um remédio.

Você vai se convencer de que precisa de um remédio. Mas pode ser que ele não esteja nas prateleiras das farmácias, e é sobre isso que eu gostaria de falar com você.

Pode ser que esses pensamentos apareçam por algum motivo, e que sua mente esteja te enviando algum alerta. Talvez você precise aprender a compreendê-los.

Assim, a sua mente sabe exatamente o que precisa, e é ela que define todo o funcionamento do seu organismo. Se está em conflito, existe um remédio e ele se chama compressão.

Como assim? Eu li esse texto todo para saber que preciso conversar comigo mesmo?

Sim!

Mas, preste atenção, agora vem a parte do texto que vai iniciar sua transformação na direção em que deseja. Ao longo da nossa vida nós desenvolvemos o comportamento socialmente aceito, aquele em que sabemos que está dentro dos padrões de ética e moral definidos na realidade em que vivemos, esse comportamento está a nível consciente, isso quer dizer que a gente se mantém em conflito com os próprios impulsos emocionais para a devida adequação na sociedade.

Você sente algo, porém se comporta diferente do que sente

O que você sente é definido pelo subconsciente, é ele que envia para você determinados impulsos emocionais, alguns convenientes e outros que você reprime para que continue sendo aceito na sociedade.

Em que momento o subconsciente aprendeu que deveria sentir esses impulsos? Ele nasce assim? Se assim fosse, por que as pessoas são tão diferentes umas das outras? Por que alguns têm tanta facilidade para se concentrar e outras não?

Bom, primeiro afaste-se desse raciocínio de que somente os que tem problemas cognitivos graves são os que apresentam problemas de memória. Eu estou falando com você, que já fez um eletroencefalograma, ressonância magnética ou tomografia e os exames estão dentro do padrão, ok?

E mesmo assim você não consegue se concentrar.

Seu subconsciente funciona com padrões, e quando esses padrões acontecem, ele ativa o impulso emocional correspondente. Esses padrões são aprendidos ainda na primeira infância, quando a criança está no seu primeiro momento de vida e absorve todo tipo de informação.

Do ponto de vista do modelo da mente de Gerald Klein, nosso subconsciente é responsável pelo desenvolvimento de hábitos e sentimentos; o consciente pelo racional, e entre eles há uma barreira chamada de fator crítico, que se torna cada vez mais resistente após a primeira infância.

hábitos de sucesso

Portando, o que acontece com uma criança nessa fase, determina em grande parte o perfil de adulto que ela será e a direção de vida que irá ter mais facilidade em seguir.

Eu sei que parece fácil falando assim, mas acredite, tudo que você faz e acredita hoje, foi programado na sua mente durante a infância.

Dito isso, vamos dar um exemplo de dois tipos de crianças e situações para que fique claro como elas desenvolveram os seus impulsos emocionais.

Exemplo prático

Vamos supor que duas crianças estão aprendendo a ler e escrever, e as duas apresentam dificuldade nesse período, aquela dificuldade natural e esperada de qualquer pessoa em um período de aprendizagem.

Uma das crianças comenta com seu professor (figura de autoridade e de confiança dela) que não está entendendo; o professor apenas procura compreender a dificuldade da criança e explicar de maneiras diferentes até que fique claro para ela como fazer aquela tarefa, e assim o aprendizado continua…

Já a outra criança comenta com seu professor (figura de autoridade e de confiança dela) que não está entendendo; o professor se mostra indignado e diz que só vai explicar mais uma vez. A criança nesse momento se sente pressionada. Assim, instalam-se as crenças limitantes na vida e ela entende que o ritmo de aprendizado dela é menor do que deveria, pois se fosse normal o professor não teria tido aquela reação (o professor poderia apenas estar irritado pois havia dormido mal aquela noite).

A primeira criança vai continuar se desenvolvendo e se sentindo a vontade para absorver o conteúdo, pois emocionalmente ela está em paz com isso. Mas a segunda criança talvez não.

Toda vez que ela não entender logo de primeira algum conteúdo, seu subconsciente já vai reconhecer o padrão e disparar o correspondente impulso emocional aprendido naquele primeiro momento em que o professou a repreendeu, prejudicando a concentração daquela criança e a partir daí, inicia-se o desenvolvimento das crenças limitantes na vida de que ela é incapaz e mais lenta que as demais.

Esclarecendo o caso

Perceba que isso está a nível subconsciente, e por mais que a criança insista em fazer determinada tarefa ela terá resistência para executá-la, pois o disparo emocional acontece independentemente do nível de consciência a respeito da importância de realizar algo.

Isso irá ocorrer repetidas vezes e a cada nova repetição, ela mesma irá se convencer de que não é capaz. Assim, como os resultados na escola irão cair, os professores, os pais, amigos também irão contribuir para que essas crenças limitantes na vida de incapacidade sejam alimentadas. Essa criança tem grandes chances de se tornar um adulto que “odeia estudar” e escolha apenas caminhos superficiais que não exijam esforço cognitivo.

Percebeu alguma semelhança com você? Pode não ter sido essa sua história, mas a interpretação do seu subconsciente sim, e hoje toda vez que você vai estudar a concentração não dura muito tempo.

Você precisa de remédio? Talvez precise. E por isso, vou te apresentar a hipnoterapia.

A hipnoterapia quebra crenças limitantes na vida

Lembra que comentei a respeito da barreira entre a mente consciente e a subconsciente? O que a hipnose faz é simplesmente afastar essa barreira e acessar seu subconsciente, portanto é possível ter acesso direto aos seus sentimentos.

Qual a importância disso?

como

Quando você diz que “tenta se concentrar e não consegue”, existe um sentimento por trás disso, e é ele que fica claro com a hipnose. Na hipnoterapia (que é a hipnose usada para fins terapêuticos) usamos esse sentimento como fio condutor para voltar à primeira vez em que isso foi sentido por você.

A partir daí, recriamos o entendimento daquela cena para que o padrão emocional do seu subconsciente seja alterado e ele não dispare mais o impulso emocional negativo, que é a origem do sintoma que você chama de “falta de concentração”.

Como isso funciona?

Coloque-se no lugar daquela criança citada no exemplo.

Com a hipnoterapia, nós vamos ajudar a sua mente a regredir até a o momento em que o sentimento de incapacidade surgiu. Uma vez lá é possível mostrar para a sua mente subconsciente que o professor apenas foi rude, e que o que ele disse para você apenas tem a ver com as programações dele e nada relacionado à sua capacidade.

Sua mente subconsciente não sabe o que é verdade, para ela o que vale é a interpretação da situação, ou seja, a forma como as coisas, literalmente, aconteceram. Portanto, o que for necessário dizer para que as crenças limitantes na vida ligadas às emoções negativas cessem, poderá ser dito. E isso será sentido imediatamente.

Nós podemos tratar o sintoma na causa, dessa forma o sentimento negativo responsável pela sua falta de concentração não estará mais aí ou se reduzirá a níveis controláveis, o que já é o suficiente.

Você precisa de remédio? Talvez. Mas se permita ouvir sua mente, pois ela sabe exatamente o que está te dizendo. Faça as pazes com ela, alinhe seu consciente com seu subconsciente e seja a pessoa que você parece ser.

Ah, não esquece de assinar a nossa Newsletter para receber tudo o que a OMNI lança em primeira mão. Além de algumas surpresas também! É só preencher o formulário que aparece ao lado.

Artigo escrito por:

Luis Felipe Suete
Hipnoterapeuta OMNI / Servidor Público Federal
Instagram: @luissuete