Tem fobia de lugares fechados? A hipnose pode ajudar

Tem fobia de lugares fechados? A hipnose pode ajudar

Escrito por:
Fobia de lugares fechados

Se você detesta lugares apertados, ou morre de medo de ficar preso em um elevador, é possível que tenha fobia de lugares fechados, conhecida como claustrofobia. 

Uma forma de transtorno de ansiedade, a claustrofobia é definida como um medo irracional de pequenos espaços e de não ter como escapar. Essa sensação de estar fechado sem poder sair pode levar rapidamente a um ataque de pânico.

A fobia de lugares fechados pode ter vários gatilhos, como um elevador, uma sala sem janelas ou até mesmo um avião. Algumas pessoas também podem sentir um desconforto ou agonia quando vestem roupas apertadas ao redor do pescoço, por exemplo.

Segundo estudos, a claustrofobia é muito comum. Cerca de 4% a 5% da população mundial sofre de claustrofobia e agorafobia, segundo Luiz Vicente Figueira de Mello, supervisor do programa de ansiedade do IPq.

Vamos, então, entender o que é essa fobia e como você pode tratá-la?

Antes de continuarmos, dá uma olhada no que o presidente da OMNI Brasil fala sobre a hipnose para tratar claustrofobia:

Olha só o que vamos ver neste texto:

Vamos lá?

O que é a fobia de lugares fechados?

A palavra “claustrofobia” vem da palavra grega phobos, que significa medo, e da palavra latina claustrum, que significa fechado. Ou seja, uma fobia de lugares fechados, onde você se sente enclausurado, preso ou sufocado.

O medo irracional e involuntário de espaços pequenos e apertados pode fazer com que você evite lugares do dia a dia, mesmo que você saiba, lá no fundo, que não existe um perigo real. Quando você tem claustrofobia, geralmente sabe que o medo é irracional, mas até mesmo pensar em um lugar apertado pode gerar uma crise de ansiedade.

Além disso, quando você se depara com a tal situação temida, sente que está tendo um ataque de pânico, um ataque cardíaco ou que não consegue respirar. Muitas pessoas acham que vão morrer se não saírem logo daquele lugar.

Quais são os sintomas da fobia de lugares fechados?

Cada pessoa com essa fobia pode passar por sintomas diferentes, mas os mais comuns incluem:

Um medo excessivo quando está em um espaço lotado, confinado ou pequeno;

  • Suor e calafrios;
  • Boca seca;
  • Dor de cabeça e dormência;
  • Aperto e dor no peito;
  • Náuseas;
  • Desorientação e confusão;
  • Tonturas, vertigens e desmaios;
  • Pressão alta e ritmo cardíaco acelerado;
  • Falta de ar;
  • Ondas de calor;
  • Sensação de asfixia;
  • Problemas no intestino;
  • Medo de morrer ou de pegar alguma doença.

Você também pode sentir uma sensação de “fim de mundo”, como se o mundo estivesse acabando e você nunca mais fosse ver a luz do dia novamente. Esses sentimentos podem ser muito assustadores e é muito difícil pará-los.

Os ataques de pânico costumam durar entre 5 a 30 minutos, mas se durarem mais do que isso, é o momento de procurar ajuda médica.

Quais são as causas da fobia de lugares fechados?

As causas de qualquer fobia são desconhecidas, mas diversos estudos já comprovaram que fatores genéticos e familiares podem influenciar. Além disso, experiências traumáticas costumam gerar diferentes fobias.

A fobia de lugares fechados pode ser desencadeada devido a:

  • Um evento traumático na infância: alguns adultos com claustrofobia relatam um ou mais eventos em que ficaram presos ou confinados a um espaço apertado quando crianças.
  • Um evento traumático depois da infância: você pode ter tido um evento traumático quando adulto, como ficar preso em um elevador ou sofrer uma turbulência severa em um avião.
  • Presenciar a fobia dos pais na infância: você pode desenvolver claustrofobia se presenciar os próprios pais sofrendo com a claustrofobia.

Imagem-ebook-traumas-em-criancas

 

Como a claustrofobia é diagnosticada?

Você provavelmente sabe que tem claustrofobia quando entra em pânico toda vez que precisa entrar em um elevador. Mas em outras situações, você pode apenas ter um pouco de medo ou ansiedade, o que não significa que seja realmente uma fobia.

Por isso, um médico é a melhor pessoa para descobrir se o que você passa é realmente uma fobia ou apenas um medo natural. As fobias interferem no seu dia a dia, prejudicando seus relacionamentos, trabalho e na sua qualidade de vida. Assim, é importante diagnosticar o quanto antes, para não sofrer à toa, concorda?

Durante a consulta com um médico — que pode ser um psiquiatra, psicólogo ou até um neurologista — você terá que responder diversas perguntas que buscam identificar como o medo de lugares fechados afeta sua vida. 

O médico pode perguntar:

  • A intensidade do seu medo e lugares fechados e se você sente isso há seis meses ou mais;
  • Se o seu medo ou ansiedade é sobre uma situação ou lugar específico, como um elevador, ou um carro pequeno;
  • Se você sente medo ou ansiedade ao pensar na situação;
  • A proporção do seu medo com relação ao perigo real (sentir medo de ficar trancado no porta-malas de um carro é normal, por exemplo, mas não pegar um elevador por medo pode significar uma fobia);
  • Se você evita a situação temida (pegar as escadas ao invés do elevador, por exemplo) ou se aguenta a situação, mas com grande ansiedade e angústia;
  • Se o seu medo está causando um sofrimento significativo ou dificultando o seu cotidiano.

Ao responder essas perguntas, o profissional já estará apto a dar um diagnóstico, ou então fará mais algumas perguntas para tirar todas as dúvidas.

Como tratar a claustrofobia?

Existem diversos tratamentos para as fobias, inclusive a fobia de lugares fechados. Elas podem incluir psicoterapia, uso de remédios, terapia de exposição, técnicas de relaxamento, como yoga, reiki, meditação, auto-hipnose e hipnoterapia.

Aqui na OMNI acreditamos no poder da hipnose para tratar traumas, fobias, medos, tratar doenças emocionais, mudar comportamentos e se livrar de vícios que nunca conseguiu antes.

A hipnoterapia é o método mais eficaz e rápido para tratar qualquer problema emocional. E, como você percebeu, a fobia de lugares fechados pode ter diversas causas, e a maioria é emocional, com origens traumáticas.

A hipnoterapia é o uso da hipnose para fins terapêuticos. Por isso, consiste em um profissional que induz a paciente a um estado de transe para lhe sugerir mudanças de hábitos, novos comportamentos saudáveis, tratando fobias, ajudando a perder o medo de lugares fechados e outros medos, resolvendo conflitos, aumentando a autoestima, entre outros.

Curtiu? Então chegou o momento de você conhecer a nossa Formação em Hipnoterapia. Se você quer transformar a sua vida, mudar a forma como a sua mente te controla e te sabota e deseja ser uma pessoa verdadeiramente nova, a Formação OMNI é para você!

É só se inscrever clicando no banner abaixo:

Formação de hipnoterapeuta OMNI

VEJA NOSSO BLOG E FIQUE POR DENTRO DE TODO CONTEÚDO

VEJA NOSSO BLOG E FIQUE POR DENTRO DE TODO CONTEÚDO


Sonhos em realidade: a transformação de Caio através da hipnoterapia

─── Continuar Lendo

Como estabelecer metas realistas para o seu crescimento pessoal

─── Continuar Lendo

A jornada de Norma entre fibromialgia e hipnoterapia

─── Continuar Lendo

Empoderamento feminino: como a hipnoterapia pode fortalecer as mulheres

─── Continuar Lendo

Liberte-se: como superar a dependência emocional e conquistar sua liberdade

─── Continuar Lendo

“Eu ja tentei suicídio, mas não consegui”

─── Continuar Lendo

O que faz um hipnoterapeuta? Descubra TUDO sobre a chave da sua mudança interior

─── Continuar Lendo

Cromoterapia: O impacto das cores no nosso bem estar

─── Continuar Lendo

A importância dos animais no bem-estar humano

─── Continuar Lendo

A Pequena Sereia: desvendando o poder das sugestões mentais

─── Continuar Lendo

Por que invalidar nossos sentimentos é prejudicial?

─── Continuar Lendo

5 filmes sobre transtornos mentais que você precisa assistir

─── Continuar Lendo

Laços emocionais: a importância da responsabilidade afetiva

─── Continuar Lendo

Os efeitos da música no cérebro humano e bem-estar

─── Continuar Lendo

Perfeccionismo: como lidar com a autocobrança excessiva

─── Continuar Lendo

Técnicas de auto-hipnoterapia para promover mudanças positivas

─── Continuar Lendo

Impacto das redes sociais na saúde mental: estabeleça limites

─── Continuar Lendo

Os efeitos do estresse crônico na saúde física e mental

─── Continuar Lendo

7 técnicas de relaxamento para redução do estresse e ansiedade

─── Continuar Lendo

Foco no Essencial: Por que Menos é Mais quando se Trata de Qualidade

─── Continuar Lendo

Repetição: a estratégia para aprender mais rápido

─── Continuar Lendo

Deixe de lado a passividade e seja mais assertivo

─── Continuar Lendo

Coloque-se em primeiro lugar: a importância de priorizar a si mesmo

─── Continuar Lendo

Liberte-se da autocrítica e abrace a autocompaixão

─── Continuar Lendo

OMNI Talk: Hipnoterapeuta e embaixadora OMNI, Mari Didea

─── Continuar Lendo

Alcançar o sucesso profissional: estratégias para se vender no mercado de trabalho

─── Continuar Lendo

Alimentação e bem-estar: porque os alimentos influenciam suas emoções?

─── Continuar Lendo

Desmistificando doenças espirituais: explorando causas, sintomas e tratamentos

─── Continuar Lendo

OMNI Talk: Ansiedade e Traumas Emocionais com Gabi Artz

─── Continuar Lendo

Problemas gerados pela ansiedade: como enfrentar

─── Continuar Lendo

Esquizofrenia: entenda melhor essa condição mental

─── Continuar Lendo

Como alcançar o sucesso por meio do esforço?

─── Continuar Lendo

Por que a autossabotagem é a sua pior inimiga

─── Continuar Lendo

Como tratar doenças autoimunes de um jeito diferente

─── Continuar Lendo

5 maneiras de reduzir os efeitos do TDAH

─── Continuar Lendo

Descubra como adotar um hobby vai transformar sua vida

─── Continuar Lendo

O que doenças gástricas e saúde emocional têm em comum?

─── Continuar Lendo

Como desconectar do trabalho te ajuda a manter a alta performance?

─── Continuar Lendo

5 coisas que você precisa saber sobre transtornos mentais

─── Continuar Lendo

OMNI Talk: Eduardo Melhem

─── Continuar Lendo


Receba nossos conteúdos

Receba nossos conteúdos