Para começar a falar de saúde mental é preciso entender o conceito de saúde, afinal, dependemos dela para nos manter vivos, não é mesmo?! Então vem comigo nessa descoberta porque o tema de hoje promete!

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define SAÚDE como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas uma ausência de doenças ou enfermidades”. Além disso, a OMS ainda acrescenta que a Saúde Mental pode ser compreendida como um estado subjetivo de bem-estar, no qual uma pessoa se sente capaz de lidar com fatores complexos da vida sem se sentir afetado por isso.

Além disso, a OMS aponta que o fato de alguém se sentir parte produtiva da sociedade ajuda nesse bem-estar mental.

Já a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) destaca que a saúde mental não é a ausência de doença, mas parte integrante da saúde. Afinal, não existe saúde sem saúde mental.

Ela é determinada por uma série de fatores pessoais e socioeconômicos, biológicos, espirituais e ambientais. Isso explica por que o índice de pessoas com problemas de saúde mental aumenta em situação de crise econômica, más condições de trabalho, exclusão social, violência etc.

Diante disso, é preocupante ver as taxas de pessoas com doenças psicossomáticas crescendo na população brasileira, em especial entre os jovens de 15 a 29 anos. E é justamente para ajudar essas pessoas que preparamos um artigo especial para o mês de janeiro. Confira o que vem por aí:

Então, boa leitura! Te vejo no final do artigo!

O que é janeiro branco?

O janeiro branco é uma campanha que começou no estado de Minas Gerais por um grupo de psicólogos. Eles notaram a necessidade de ter um mês específico para que possamos falar da importância que a saúde mental tem no nosso dia a dia.

Para a psiquiatra Emanuella Halabi, a campanha é necessária para todas as pessoas, mas principalmente, para a conscientização da população sobre aqueles que sofrem de alguma patologia oriunda da mente.

“É preciso incentivar cada vez mais as pessoas a procurarem ajuda, a buscarem auxílio, porque muitas vezes, também, as pessoas que possuem algum transtorno psiquiátrico sentem muita vergonha de procurar sua saúde mental, procurar se cuidar pelo estigma que isso causa”.

O janeiro branco é uma campanha sem fins lucrativos e visa conscientizar a população para os cuidados que devem ter quanto à sua própria saúde mental. A iniciativa ganhou força e foi aceita pelas grandes companhias de saúde por considerarem um assunto importante para se tratar.

Ao longo de janeiro, as Redes Sociais ficam cheias de publicações relacionadas ao mês mais branco do ano.

Mas, por que janeiro branco?

Bom, de acordo com os próprios psicólogos que criaram a campanha janeiro branco, a ideia de usar a cor branca para representar o mês da saúde mental tem a ver com recomeço.

A intenção era mostrar que assim como o ano novo é como um livro da história que você vai escrever, o mês de janeiro seria uma página em branco desse ano, na qual é possível ser preenchida com novas metas.

Os planos são pensados para preencherem essa página, e o convite que eles fazem é justamente esse: preencha a página!

Assim, é possível cultivar bons hábitos de vida para tornar a sua saúde mental tão forte quanto os batimentos do seu coração. O janeiro branco é uma forma de representar essas mudanças interiores e exteriores (que são os hábitos), a fim de tornar alguém forte.

Depressão, ansiedade e os traumas

Só para que você entenda o tamanho do problema, só no Brasil o número de pessoas depressivas equivale a 5,8% da população, ficamos atrás apenas dos Estados Unidos, onde os depressivos apresentam 5,9% de toda a população.

Acha muito? Esse nem é o pior dado!

Ainda de acordo com a OMS, o Brasil é o país com maior prevalência de ansiedade o mundo inteiro. São cerca de 9,3% de brasileiros sofrendo de um trauma complexo e de origem (muitas vezes) desconhecida.

A campanha janeiro branco provoca reflexos até mesmo na economia, já que pode causar afastamento das pessoas do mercado de trabalho, o que consequentemente impacta no consumo dessas pessoas.

A depressão

De acordo com o Dr. Drauzio Varella, cerca de 18% das pessoas no Brasil vão apresentar estágios de depressão em algum período da vida.

Quem já teve um episódio depressivo possui 50% de chances de manifestar outra crise em pouco tempo. E essa taxa só aumenta conforme a recorrência dos casos, podendo chegar até 90% de chance de desenvolver um novo episódio. Eis a importância da campanha janeiro branco na sociedade.

Além disso, a depressão está, normalmente, ligada a essas três causas:

Genética

Sim, acredite se quiser, mas o seu DNA pode interferir no desenvolvimento de um estado depressivo. Estudos com famílias, gêmeos e adotados apontaram um componente genético semelhante. Esse componente representou cerca de 40% da suscetibilidade para desenvolver a depressão. O janeiro branco é essencial para aprender mais sobre isso.

Bioquímica cerebral

A deficiência de substâncias cerebrais, os chamados neurotransmissores, nas pessoas com histórico de depressão na família. Principalmente quando o organismo apresenta dificuldades em produzir essas substâncias.

Eventos vitais

Eventos estressantes podem desencadear episódios depressivos naqueles que tem uma predisposição. Normalmente são as perdas, a solidão e até mesmo a sensação de vazio na vida podem levar a um caso com este.

Quando paramos para avaliar os diferentes casos, uma questão importante vem à tona: a maioria deles é fruto de um evento traumático na infância ou adolescência. E esse pode ser o motivo que levou determinada pessoa a desenvolver essa tristeza tão profunda.

Baixe o e-Book “Como evitar Traumas em Crianças” e saiba mais sobre o assunto!

A ansiedade

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, o Brasil enfrenta uma crise de ansiedade, o país está em primeiro lugar da lista, considerado o mais ansioso do mundo. São aproximadamente 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) convivendo com o transtorno.

Além disso, vivemos em um período muito complicado. Pois, enquanto este artigo é escrito, a população mundial enfrenta a pandemia da COVID-19, maior epidemia já registrada nos últimos anos. O isolamento social, a crise econômica, o pânico de estar em contato com o vírus e outras tantas preocupações também desencadearam uma pandemia oculta de ansiedade.

O janeiro branco é uma campanha focada em auxiliar pessoas que sofrem desse tipo de problema na mente das pessoas.

Os números que já eram altos, tiveram um salto ainda maior.

Afinal, segundo um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, os casos de ansiedade e estresse chegaram a dobrar neste período. Enquanto os casos de depressão tiveram aumento de 90%.

A ansiedade mora entre o presente e o futuro, o que te faz viver o hoje de forma apreensiva. As expectativas estão no futuro e, principalmente, no medo de perder o controle, pois o desconhecido é visto como ameaça.

Entre os grandes medos do século XXI, está a ansiedade e os demais transtornos emocionais causados por uma má saúde mental.

Afinal, a correria do dia a dia, o trabalho, a família, os estudos, o seu próprio crescimento… enfim. A vida, definitivamente, não está nem aí para o seu planejamento. E quando as coisas parecem “sair do controle”, as emoções mal resolvidas que vivem dentro do seu subconsciente podem desencadear sérios problemas de saúde.

A saúde mental na pandemia

De acordo com a Fiocruz, sintomas de ansiedade e depressão afetam 47,3% dos trabalhadores de serviços essenciais durante a pandemia de Covid-19, no Brasil e na Espanha. Mais da metade deles —27,4%— sofre de ansiedade e depressão ao mesmo tempo.

Já imaginou sofrer das duas ao mesmo tempo?? Não há saúde mental que aguente e a campanha janeiro branco é a chave para ajudar!

Além disso, outros 44,3% têm abusado de bebidas alcoólicas – mesmo dentro de casa –; 42,9% sofreram mudanças no sono. De todos eles, 30,9% foram diagnosticados ou se trataram de doenças mentais no ano anterior por outra pesquisa da Fiocruz.

Um estudo realizado em março de 2020 por Alberto Filgueiras, professor do Instituto de Psicologia da UERJ, mostrou que o comportamento dos brasileiros que estão isolados, pode gerar um grau de estresse agudo.

E isso mostra um ponto de atenção a mais nos problemas de saúde mental apresentados até o momento neste artigo.

Em meio a pandemia, um ponto que pode influenciar na saúde mental durante esse janeiro branco é a imunidade biológica do corpo. Afinal, esses traumas podem modificar completamente as liberações hormonais do corpo, causando uma verdadeira confusão no nosso sistema de defesa.

E, convenhamos, precisamos de um sistema imunológico forte em tempos de Coronavírus.

Como a hipnoterapia pode ajudar?

Quando o assunto é saúde mental, o medo de tomar medicação é muito grande na maioria das pessoas. Nesse contexto, muitas pessoas se queixam com seus médicos que, caso deixem de se medicar, voltam a sentir os sintomas iniciais de diversas doenças psicossomáticas.

Em alguns casos, de fato, o medicamento tem a sua importância, mas ele atua apenas no combate ao sintoma e não na causa específica do problema. Por isso, eu vim aqui te falar que existe uma ferramenta eficaz e muito menos invasiva para o tratamento, a hipnoterapia.

Essa é uma forma de terapia na qual as pessoas passam por um estado físico e mental de relaxamento, o que proporciona acessarem regiões da mente que abrigam as emoções geradoras de um problema de saúde mental.

Utilizando a hipnoterapia, é possível conseguir qualidade de vida, tranquilidade e, principalmente saúde mental. Isso porque, com a hipnoterapia, é possível encontrar a causa para o problema, o que chamamos de evento causador inicial – ECI, ou seja, onde tudo começou.

Para isso, a pessoa precisa entender que sua mente é como um armário cheio de gavetas. Algumas delas são fáceis de abrir e descobrir o que há nelas, já outras exige um pouco mais de dedicação e, algumas, precisam de um especialista em gavetas para que possam ser abertas.

Depois que descobrem a hipnoterapia, muitos clientes relatam uma melhora considerável na qualidade de sua saúde mental, saúde física e até mesmo na forma como enxergam a vida!

Vale a pena investir nos cuidados com a saúde mental, afinal ela é o que garante que todo o seu corpo reaja bem a determinados assuntos e problemas.

Agora que chagamos ao final, eu quero saber de você, como anda sua saúde mental? Comenta aqui embaixo. Aproveite e compartilhe nas suas redes sociais. Quem sabe você ajuda a salvar a vida de um amigo ou conhecido…

Ah, não esquece de assinar a nossa Newsletter, viu? Por ela você vai receber conteúdos fresquinhos além de novidades exclusivas e… algumas surpresas também!