Procrastinar: a arte de fazer tudo o que não precisamos para evitar fazer o que realmente é necessário ser feito. Se identificou? Então você pode fazer parte dos 20% dos adultos procrastinadores crônicos ou você ainda está no hall dos 90% das pessoas que, esporadicamente, procrastinam, ou seja, aquelas que postergam suas tarefas, mesmo sabendo que isso pode trazer impactos extremamente negativos para sua vida. 

Para alguns, a procrastinação é vista apenas com um mau hábito, mas quando identificamos o quanto isso pode impactar em nossas atividades, levando a consequências muito maiores como ansiedade, depressão, perda de emprego etc., podemos defini-la como uma sabotagem patológica que destrói o nosso recurso mais valioso: o tão precioso tempo. 

Se o dia tem as mesmas 24 horas para todos, por que algumas pessoas conseguem executar suas tarefas e ainda ter tempo de sobra, enquanto outras não conseguem finalizar aquilo que estava planejado para o dia? 

Existem pessoas que acham que esse é um problema da “nova geração”, outros atribuem o fato a correria do trabalho, as multitarefas, a família e outras tantas justificativas.  

Eu te pergunto: Somos a geração que não tem tempo para nada ou somos a geração que se justifica com a falta de tempo para nossas falhas e procrastinações? 

Por que não temos tempo de começar um curso online, se a gente passa horas nas redes sociais? Como é que a gente não tem tempo de adquirir conhecimento, se temos a internet com todo tipo de informação disponível 24 horas por dia, com todas as respostas, até para as perguntas mais inimagináveis do mundo? Por qual motivo a gente não tem tempo de correr atrás dos nossos sonhos, se a gente tem tempo de sobra para sonhá-los e imaginá-los? 

Por que as pessoas procrastinam?

A ciência e estudos antigos atribuem a procrastinação a eventos diferentes. Para Sigmund Freud, por exemplo, as pessoas costumam procrastinar por medo da morte – adiar uma tarefa sempre nos deixaria com algo por fazer.

Já na concepção de Richard Thaler, economista que estuda economia comportamental, finanças e psicologia, avalia que procrastinamos por uma concepção, errada, de que o trabalho que teremos de fazer nunca é importante como o que estamos fazendo agora.

Em um estudo sobre o tema, o psicólogo canadense Piers Steel  encontrou uma forte ligação entre o hábito de procrastinar e a impulsividade, o que justifica o fato de passar algumas tarefas na frente de outras, tão ou mais, importantes.

Segundo o estudo, publicado no Psychological Bulletin da American Psychological Association, os procrastinadores tendem a desenvolver um perfeccionismo irracional, porém não deixam de ser mais distraídos e ansiosos. Também são mais estressados e possuem menos autocontrole.

Entre os principais fatores que fazem as pessoas procrastinarem suas tarefas estão:

  • Complacência

Confiança é importante, mas confiança demais pode fazer com que as pessoas subestimem determinadas tarefas que não enxergam valor. Uma comparação simples é a realização de um check-up médico, enquanto estiver tudo bem não enxergamos a necessidade em fazê-lo. Mas caímos naquela velha história: melhor prevenir do que remediar.

  • Fuga do desconforto

Deixar para amanhã o término de namoro, o pedido de demissão, a entrega do relatório… Muitas pessoas procrastinam por não ter de passar por um determinado desconforto, seja por insegurança ou medo de uma situação.

  • Medo de falhar

Você já ouviu o ditado “antes feito do que perfeito”? E, claro, a perfeição chega com a prática. O medo de falhar ou fazer algo que não atenda as expectativas do outro está entre os maiores vilões da procrastinação.

  • Barreiras emocionais

Estresse, ansiedade, síndrome do pânico, fobias e outros tantos sentimentos e emoções podem desencadear um ciclo vicioso de procrastinação.

  • Ações ilusórias

Você já perdeu tempo do seu dia apenas pensando na quantidade de coisas que tinha que fazer? Muitas vezes procrastinamos sem perceber, nos ocupando demais com tarefas que, talvez, não sejam tão importantes assim. Por exemplo, você pode e deve checar os seus e-mails, mas você não precisa fazer isso a cada 15 minutos. Entendeu?

Quando nos ocupamos com tarefas secundárias temos a falsa impressão de que estamos progredindo, mas na verdade trata-se de uma ilusão de ação.

O que procrastinar tem a ver com autossabotagem? 

Autossabotagem não existe! Talvez agora eu tenha dado um nó na sua cabeça. Mas para entender isso, existem exemplos simples: Você jogaria contra o seu próprio time? Daria chibatadas em si próprio? Se você estiver plenamente consciente, sua reposta provavelmente será não! 

Perceba que as vezes que você “optou” por procrastinar, as tarefas que você tinha de fazer não lhe dariam prazer ou satisfação imediata. O fato é que o ser humano tem a tendência de não lidar bem com atividades que parecem complexas ou que não aparentam ter benefícios a curto prazo. 

Então, trocaremos a autossabotagem por programação mental. Todas as vezes que você postergou uma tarefa, foi o seu subconsciente tentando te preservar de alguma coisa de maneira, unicamente, instintiva e baseada em dois princípios básicos: aproximação do prazer e fuga da dor.   

É no seu subconsciente que abriga 95% de quem você realmente é. A explicação de tudo o que você faz e a maneira como você age está sob responsabilidade do seu subconsciente. Neste caso, ele interpreta determinadas tarefas como um “perigo inconsciente” e, por isso, se encarrega de te proteger do desprazer, frustração ou dor. 

Como parar de procrastinar com ajuda da hipnoterapia? 

Eu poderia dizer que, antes de tudo, você deveria iniciar a partir da sua própria força de vontade, mas este é um recurso finito, uma hora ele irá se esgotar. Por esse motivo, muitas pessoas acabam desistindo no meio do caminho. Sua vontade esgota, sua força também e logo bate a sensação de: Por que estou fazendo isso? Por que ao invés disso eu não faço outra coisa que me dê mais prazer? Por que eu vou fazer isso agora se eu posso entregar mais tarde?  

Enfim, o melhor caminho é buscar a causa do problema. Por trás da “preguiça” ou da “falta de vontade” existe sempre uma razão. Sim, a procrastinação é um sintoma de algo maior que, talvez, você ainda não saiba o que é, ou até sabe, mas ainda não conseguiu reverter. 

Quando falamos em sintoma, não falamos no sentido figurado. Por exemplo, a febre é um sintoma ou uma manifestação do corpo que indica uma infecção. A procrastinação é uma manifestação da sua mente que indica algum tipo de problema e somatização. 

A hipnoterapia vai ajudar a encontrar e tratar a raiz desse problema, o chamado E.C.I (evento causador inicial). Assim, será possível chegar ao X da questão que desencadeia o verdadeiro gatilho dessa ação. Depois disso, é possível mapear os eventos causadores subsequentes, aqueles que reforçam tais comportamentos e te fazem repeti-lo.  

Feito isso, está aberto o caminho para reprogramar a mente para que ela passe a agir diferente e eliminar determinado padrão de repetição subconsciente.  

.

Como o próprio nome diz, reprogramar a mente consiste efetivamente em programar outra vez os comandos neurais que você já estabeleceu no seu cérebro. Mudar os padrões do seu subconsciente faz parte de uma reprogramação mental, ou seja, serão utilizados ferramentas e métodos comprovados para treinar a sua mente, fazendo com que você altere as informações neurais, que não forem positivas. 

Tudo é equilíbrio! Com as técnicas aplicadas na hipnoterapia você consegue eliminar o gatilho e extinguir, de uma vez por todas, o hábito de procrastinar. Simples assim, a causa é exterminada da sua mente e você, consequentemente, conseguirá trabalhá-la a se favor, evitando que você volte a cometer os mesmos erros ou ainda prevenindo que nossos problemas venham acontecer.   

Adeus procrastinação! Se eu tenho que fazer, não vou deixar para amanhã e nem para depois, é pra já! 

E você, enfrenta ou já enfrentou esse looping de procrastinação? Conte-nos nos comentários quais estratégias você usa para não deixar as coisas para amanhã.