fobia

Geralmente, medo e fobia são duas palavras muito utilizadas para descrever a mesma coisa, embora tenham significados um pouco diferentes.

O medo é um sentimento muito comum e que está presente durante todas as fases da nossa vida. Se analisarmos melhor, podemos concluir que o medo é de fato algo extremamente necessário para a nossa sobrevivência, pois tem a função de nos proteger de perigos reais que podem surgir em diversas situações do nosso dia a dia.

O grande problema é quando o medo se transforma em algo muito desproporcional, e até mesmo, fora da realidade. Um pavor que começa a causar sérias interferências e prejudicar a nossa vida em vários aspectos, ao mesmo tempo que não representa risco nenhum para as outras pessoas ao nosso redor.

É exatamente um cenário assim que podemos considerar como um caso real de fobia.

Nesse post iremos abordar um pouco sobre esse assunto e entender melhor como identificar uma fobia e como podemos reverter essa situação.

Vamos lá!

O que é fobia

É muito comum as pessoas acharem que medo e fobia são a mesma coisa e por conta disso acabam confundindo a utilização desses dois termos. Mas na verdade, a fobia é um caso bem mais sério e que deve ser tratado com atenção.

Fobia pode ser definido como uma perturbação caracterizada pelo sentimento de medo persistente e descontrolado em relação a algum ser vivo, objeto ou situação. E que na maioria das vezes, não representa nenhum perigo real para o indivíduo.

Ou seja, é um espécie de medo exagerado e muito mais intenso. Porém, para muitos profissionais da saúde, isso seria definido como algum tipo de distúrbio psicológico.

Além do descontrole emocional, pessoas que sofrem com fobias também podem apresentar diversos tipos de sintomas. Os mais frequentes são:

  • Ansiedade
  • Crise de pânico
  • Falta de ar
  • Tremores
  • Taquicardia
  • Baixa autoestima
  • Preocupação excessiva

E tão importante quanto saber o que é uma fobia, é saber como elas surgem. E é exatamente isso que veremos a seguir.

Como surge uma fobia

Esse tipo de pavor descontrolado é um problema de origem emocional que pode ter sido originado por algum trauma do passado ou por alguma outra causa que não é tão aparente.

Humilhação, situação embaraçosa, vulnerabilidade, risco de vida ou agressão física são algumas das possíveis experiências traumatizantes que podem dar origem às fobias.

A maioria desses casos começam a surgir durante a infância (como a maior parte dos problemas emocionais), pois é uma fase em que a criança ainda não possui um fator crítico e maturidade emocional bem desenvolvidos, e por isso, acaba sendo mais suscetível para receber influências de experiências negativas.

Por exemplo: Se uma criança está brincando com um cachorro e em determinado momento é atacada e perseguida pelo animal, então as chances da criança crescer com algum trauma relacionado a isso são bem grandes. 

E por mais incrível que pareça, também existem outros casos em que a fobia começa a se desenvolver antes mesmo da fase infantil…

Em sessões de hipnoterapia, é muito comum descobrir casos em que determinadas fobias foram originadas ainda quando o indivíduo estava dentro da barriga da mãe.

Nesse tipo de situação, as experiências e emoções negativas que mãe estava sentindo em algum momento da gestação foram transferidas para o bebê, que mais tarde acabaria desenvolvendo algum tipo de fobia. Pois é…

Um ponto importante:

Devemos entender também que quanto mais a pessoa com fobia vivenciar novas situações em que esse pavor descontrolado se manifeste, mais intensificado esse problema emocional se tornará dentro dela.

Isso acontece, pois a primeira experiência traumatizante que dá origem a esse descontrole emocional acaba ficando enraizada dentro da mente subconsciente da pessoa.

Então, cada nova crise de pavor que essa pessoa sofrer ao longo da vida irá reforçar ainda mais aquele primeiro evento de origem do problema, e dessa forma, criará uma programação emocional negativa mais forte e mais difícil de ser controlada.

fobia

Principais tipos de fobias e suas consequências

Existem estimativas de que 10% a 20% das pessoas no mundo sofram com algum tipo de fobia. Os principais casos que se manifestam são:

– Claustrofobia (medo de lugares fechados ou confinados):

Esse é um dos tipos de fobias mais comuns que existem. Cômodos apertados, elevadores e aglomerações de pessoas são situações evitadas ao máximo por quem sofre com esse problema.

– Acrofobia (medo de altura):

Viajar de avião ou subir em algum tipo de escada podem ser coisas impossíveis de serem feitas por pessoas nessa situação.

– Aracnofobia (medo de aranha):

Não importa o tamanho da aranha, pois por mais pequena que ela seja, já será o suficiente para despertar o pavor de ser tocado ou até mesmo picado por alguma delas.

– Odontofobia (medo de dentista):

Muitas pessoas não conseguem realizar um canal, tratar de uma cárie ou simplesmente fazer um clareamento nos dentes, justamente por conta do pavor que sentem de ter alguém mexendo dentro de suas bocas.

– Cinofobia (medo de cães):

Geralmente, são aquelas pessoas que mudam de calçada quando percebem alguém passeando com os animais logo a frente. Tem também aqueles que para entrar na casa de alguém precisam perguntar se existe um cachorro ali dentro, e caso haja, pedir para ele ser trancado.

– Glossofobia: medo de falar em público;

Esse é um problema que acaba prejudicando tanto no trabalho, quanto nos estudos. Pois dificulta qualquer tipo de comunicação e apresentação, mesmo que for para um pequeno grupo de pessoas.

– Hematofobia (medo de sangue):

Fazer exame de sangue pode se tornar um pesadelo para essas pessoas. Até um simples corte feito por acidente pode acabar causando histeria.

Esses são apenas alguns exemplos entre centenas de outros tipos de fobias que existem…

Como tratar uma fobia

Nesse ponto, você já entendeu que todo o tipo de fobia requer muita atenção e deve ser tratada o mais rápido possível para que não venha a causar mais transtornos.

E é aqui que a Hipnoterapia entra como uma grande aliada para solucionar esse problema.

A Hipnoterapia, nada mais é, do que uma abordagem terapêutica que se utiliza das técnicas da hipnose para descobrir a origem emocional do problema e ressignificar um trauma.

Ou seja, através da Hipnoterapia é possível alterar a relação emocional que existe entre a pessoa e a situação que provocou aquela determinada fobia, para que dessa forma, se instale uma nova programação mental no subconsciente.

É por conta disso que a Hipnoterapia é um tratamento tão procurado pelas pessoas.

Afinal, quando se trabalha na causa, naturalmente o sintoma é controlado e aquele mal deixa de existir.

Caso você tenha alguma fobia e deseja tratá-la, então é aconselhado que procure um bom Hipnoterapeuta para te ajudar nessa missão.

Porém, se esse não for o seu caso mas você tem o desejo de contribuir com outras pessoas que sofrem desse e outros tipos de problemas emocionais, então você deveria estudar a possibilidade de se tornar um Hipnoterapeuta OMNI.

Continue nos acompanhando para entender melhor sobre esse universo da Hipnoterapia!

O que achou? Deixe um comentário ou sugestão abaixo!