11 milhões de brasileiros sofrem de depressão (IBGE – 2013).
A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. No sentido patológico, há presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima, que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si. Mas talvez o tratamento da depressão seja mais simples do que imagina.

Tristeza ou depressão – como diferenciar?

Muitas pessoas passam por algumas dificuldades na vida, e costumam dizer “Estou depressivo”. Mas isso não é depressão. Na verdade, a depressão não é causada por uma série de acontecimentos tristes. Mas também existe o outro lado da moeda. Uma pessoa está em depressão, e amigos e familiares falam “Ah, é só uma fase, porque perdeu o emprego.. nada demais.”

Veja a tabela abaixo para entender as diferenças

Tratamento da depressão – diferença da tristeza

A depressão afeta a química do cérebro

Esse distúrbio geralmente acompanha um mal funcionamento nos neurotransmissores do cérebro. O principal neuro-transmissor relacionado na depressão se chama serotonina (que é o hormônio do bem estar e bom humor). Ele tem a função específica de fazer a comunicação entre as células nervosas (chamadas de sinapse). Quando o nível de serotonina no cérebro está muito baixo, a pessoa fica depressiva. Por esse motivo, os médicos realizam o tratamento da depressão através de remédios.

A causa da depressão

Muito se fala que a depressão é causada pela alteração química no cérebro, como explicado acima. Tudo bem, mas e o que causa essa “bagunça” no cérebro, que resulta na depressão?
Após décadas e milhares de terapias que fizemos, é muito claro para nós da OMNI, que a causa real está escondida no subconsciente. Um evento, uma emoção mal resolvida que você provavelmente nem se lembra, pode ter ficado marcado, e vem machucando de pouco a pouco. Mas precisamos ser fortes, não é mesmo?

Então, reprimimos essas emoções sem nem mesmo perceber, enquanto ela cresce internamente. Mas chega um dia, após perder o emprego ou um ente querido por exemplo, que acrescenta um peso a mais a nossa tristeza interna. Uma última gota no balde que já estava cheio, e todo nosso sistema (químico/hormonal) é bagunçado! Nesse momento, nosso corpo ou mente não aguenta mais. Assim, surge a depressão.

Como é o tratamento da depressão com hipnose

Na hipnose, conseguimos com a ajuda do cliente, buscar a origem que desencadeou tudo isso. Buscamos a primeira gota que foi colocada no balde. A causa de tudo normalmente é um evento inofensivo (aparentemente) que aconteceu na infância.

Assim que essa razão causadora é descoberta, entendida e neutralizada, não há mais motivos para a mente e/ou o corpo funcionar de forma desequilibrada. Então a química cerebral começa a se regular, os hormônios começam a voltar ao normal, tudo de forma natural. Alias, se o corpo pode alterar sozinho o funcionamento orgânico e fisiológico na primeira vez, porque não poderia alternar novamente para o estado normal?

É importante frisar que nós, hipnoterapeutas, trabalhamos junto com o cliente, a um nível profundo na mente dele. Buscando a capacidade natural de autocura de seu próprio corpo. Por isso não indicamos remédios, nem recomendamos alterar dosagens sem antes consultar o médico. Na verdade, não é nem tão importante o “rotulo” que deram para o conjunto de sintomas do cliente, pois nós vamos trabalhar na raiz do problema.

Inscreva-se no canal da OMNI Brasil, para assistir mais casos incríveis de tratamento com hipnose!

A solução pode ser mais rápida e fácil do que parece

Temos a tendência de pensar que pelo fato da doença ser muito grave, a solução é demorada, complicada. Não!
Demora o tratamento da depressão com hipnose? Muitas vezes, em apenas uma sessão (intensa) é possível ajudar casos gravíssimos, até mais “complicados” que o caso da Ana no vídeo.

Quer achar um hipnoterapeuta capaz de ajudar você ou uma pessoa que você conhece a se livrar desse problema? Acesse o OMNI Finder. E, para finalizar, eu adoraria saber a sua opinião sobre esse artigo.
Deixe um comentário logo abaixo sobre o que você mais gostou nesse artigo, ou sobre alguma curiosidade extra que você deseja compartilhar conosco ou até mesmo alguma crítica sobre esse texto.